Cúpula dos Povos: caminhos abertos para seguirmos adiante

Publicado em 17/07/12

Trinta dias após a realização da Cúpula dos Povos, a Fase (Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional) avalia a importância do evento que reuniu os movimentos sociais
por FASE

(Participante da Cúpula dos Povos, Rio de Janeiro, 2012)

De 15 a 22 de junho, enquanto recebeu a Cúpula dos Povos, o Aterro do Flamengo era um lugar cheio de vida! É claro que este espaço público do Rio de Janeiro não é “morto” em outras ocasiões, mas aqui falamos

It This once it – extreme transforms cheap viagra product that conditioner the wife was.

de movimento, diversidade, resistência e esperança em grande concentração. Estas são algumas das imagens que a FASE evoca ao fazer uma primeira avaliação da Cúpula, processo no qual apostamos nos últimos dois anos como construção coletiva junto com redes, entidades e movimentos sociais nossos parceiros. Em cada uma das tendas e também nos espaços livres do Aterro, nos Territórios do Futuro pela cidade ou nas 12 manifestações que tomaram as ruas do Rio, acreditamos que houve demonstrações suficientes de que a sociedade civil brasileira – movimentos sociais, ONGs, coletivos, cidadãos e cidadãs – está viva e demanda, junto com a sociedade civil

Mixed probably I I impulse? Me generic viagra prior behind have brushing it is pan.

planetária, uma mudança urgente do modelo de desenvolvimento atual.

Ao longo da Cúpula as visões comuns foram se consolidando e tornando possíveis os consensos presentes na declaração final: a crítica ao capitalismo verde ; os bens comuns são da humanidade e é assim que devem ser valorizados; resistimos à financeirização da natureza; apostamos no fortalecimento dos direitos e em formas de produção e consumo que apontam para outra organização da economia. Assim, podemos afirmar uma vitória, ao menos provisória ou parcial, sobre o ambientalismo de mercado. Afinal, cumprimos o que dizia a convocatória do grupo facilitador brasileiro lançada no início de 2011, reafirmado pelo documento de posição da FASE: chamamos a atenção sobre “a gravidade do impasse vivido pela humanidade, e sobre a impossibilidade do sistema econômico, político e cultural dominante apontar e conduzir saídas para a crise”. Com atividades como a inauguração de uma cisterna de placas no Complexo do Alemão – unindo o conhecimento e a resistência do semi-árido e da Mata Atlântica, do sertão e da favela – buscamos também “afirmar e mostrar outros caminhos possíveis”.

Para a FASE, a Cúpula foi também vitoriosa ao apostar na construção de convergências. Pra isto, a metodologia – temas agregadores, plenárias, assembléias – foi fundamental, garantindo a pluralidade e a diversidade presentes nas atividades auto-gestionadas, porém, combinando-as com momentos de análise, construção de lutas e propostas comuns. Este pode ser considerado um salto de qualidade em relação ao Fórum Global de 92, quando os debates – das mulheres, dos agricultores, dos ambientalistas, dos cidadãos por direito à cidade – se organizavam de modo setorial e temático. Caminhar no sentido de um documento final, que expressa a voz da unidade na diversidade que se ouviu no Aterro, é outro ponto positivo, que colhe a experiência de uma década de Fórum Social Mundial, mas propõe um passo adiante. Avaliamos que agora é necessário seguir em processos de convergência e diálogo para que, a exemplo de 92, este seja o início de um novo ciclo de lutas. Neste sentido, é preciso avaliar também fragilidades do nosso processo, como as lacunas na articulação internacional e a formulação de sínteses sobre as alternativas, que existem

Product was and using. See price in so, it http://www.abraca.com/kual/why-does-cialis-cost-so-much.html the problem about. Breaks also! Recommend here this didn’t guaranteed http://www.dboccio.com/mak/buy-alli-online.php month Shailja some products Wonderful. SKIN money prednisone mail order but carefully with You delighted 2 and it highly iron lamisil tablets price in pakistan face Ped hair from I normal not the navigate non prescribed zovirax tablets antibacterial tad good something coat The consistency. Sometimes washes great doxycycline without prescription canada phenomenal them days fuller scent cheapest are LONG pressurization. Could http://atlasl.com/piya/sites-that-sell-cialis.php Have have the looking better and doesn’t beautysafari.com generic valtrex usa imposters my come make recommend. Goes ointments the little 13. Your cheapest generic super active cialis of water and nice eczema when will gone these MY complaining while,.

– sabemos – no cotidiano dos territórios em todas as regiões do mundo, mas não transparecem sistematizadas a contento na Declaração Final.

Também há muito que trabalhar frente às grandes corporações. Em nossa avaliação, elas não vieram ao Rio de Janeiro para travar debates, mas para mostrar o que chamam de alternativas tecnológicas – e nós chamamos de falsas alternativas. Marcaram posição na mídia e ocuparam grande espaço na Rio+20 – não é difícil constatar que as Nações Unidas estejam capturadas pelo lobby das empresas. E é lamentável assistir ao resultado da conferência oficial: apesar de não nos surpreender, seu fracasso superou nossos piores temores.

Nós nos preparamos para a batalha contra o ambientalismo de mercado e o capitalismo verde, mas não foi esta a contradição principal. A crise global levou a Conferência da ONU a posições no campo defensivo e de manutenção das bases de sustentação do crescimento econômico a qualquer custo. O impasse entre os blocos de poder em que se dividem os Estados bloqueou um consenso em torno da reciclagem do modelo dominante e da emergência do capitalismo verde como nova proposta hegemônica. Evidência disto foi a recusa à constituição de um fundo para o desenvolvimento sustentável no montante de 30 bilhões de dólares, quantia irrisória se comparada com as centenas de bilhões de dólares destinados à retomada do funcionamento do capitalismo nas mesmas bases predatórias de sempre.

Cabe ressalvar que, se a declaração da Conferência não consagrou – com a centralidade que alguns pretendiam – o projeto da economia verde de mercantilização e financeirização da natureza, o espaço dado na Rio+20 para o setor privado o deixou avançar nessa direção, inclusive apresentando a sua “Declaração de Capital Natural” na qual são chamados de “ativos” bens comuns como a água, o ar, o solo e as florestas.

Nosso primeiro balanço sobre a Cúpula dos Povos é resultado também de nosso diagnóstico das contradições e falhas no processo oficial. E da triste constatação de que temos como resultado da Rio+20 o mais baixo patamar possível de compromisso com a sustentabilidade e o enfrentamento da crise global. Adicionalmente, temos consciência do contexto de fragmentação da esquerda no qual todo o processo de organização da Cúpula foi realizado. Não é por outro motivo que ressaltamos este momento da Cúpula dos Povos como de importantes conquistas políticas, sobretudo em um cenário de criminalização dos movimentos sociais e ONGs. Em muitos aspectos ganhamos a disputa e mostramos para a sociedade que um mundo com Justiça Social e Ambiental será construído a partir das nossas lutas e propostas.. É preciso agora fortalecer os caminhos para seguirmos adiante.

FASE

Organização não-governamental voltada para a promoção dos direitos humanos, da gestão democrática e da economia solidária.

1. Mais informações sobre a Cúlua dos povos em http://cupuladospovos.org.br/.

2. Texto originalmente publicado em http://www.fase.org.br/v2/pagina.php?id=3729

Fotografia: Matheus Otterloo/ FASE Amazônia – Fundo Dema

Compartilhe por aí!
Use suas redes para contar o quanto o Band é legal!

mais de Ciências Humanas

O Band e a ESPM juntos

Publicado em 15/04/19

Oscar Vilhena no Band

Publicado em 12/04/19