Discurso do Paraninfo de Humanas – Prof. Gleney

Publicado em 04/02/10

SER E MEMÓRIA
Nós somos nossa memória.

O cuidado que temos, ou que teremos com nossas lembranças, dará o tom do que nos tornaremos e nós somos o que nos tornamos.

Há um “jogo”, na boa acepção do termo, entre “cuidar” e “lembrar”. É desse cuidar e desse lembrar que gostaria de falar a vocês.DSC07257

A você, jovem.

Você carrega em sua memória afetiva os anos de Bandeirantes. Nesse caminhar cresceu, amadureceu e já alcançou uma boa autonomia intelectual. Já é capaz de fazer “mundo” e de alguma forma dialogar com esse “mundo”, é capaz de se tornar pessoa a partir dele. Mas o apropriar-se de seu mundo e, portanto, a construção da sua identidade só será assegurada se mantiver a saúde de um diálogo permanente com o outro, pois é a alteridade que lhe trará a percepção de sua própria identidade, de seu mundo; o parâmetro para que esse mundo não se torne i-mundo, isto é, um conjunto de “percepções” e valores que não são seus, vieram de fora e invadiram seu ser sem pedir permissão.

Cuide de si para que seu mundo não se torne uma loucura que esqueceu como chegou a enlouquecer; para que não se torne uma repetição de hábitos que são apenas ecos de uma segunda natureza, de um adestramento sem vida, sem crítica.

O que protege seu mundo é o diálogo!

Mas como saber do “diálogo”?

Como saber de si nessa  “terna indiferença do mundo”?

Neste momento de passagem você já tem uma história, e uma criança, de mais ou menos 3 anos, dentro de você, precisa de um abraço seu.

Faça um exercício de imaginação e sinta essa criança em seus braços, receba essa criança. Você ainda se lembra dela?

-Ela pode confiar nesse aconchego.

-Você pode acreditar e aceitar a verdade e a emoção desse calor.

Na passagem ritual desta noite deve haver um encontro de você com você mesmo.

Cuide de seus sonhos para que não  ceda à mediocridade das massas ou à escravidão de desejos que não são seus.

Cuide de sua criança para que não se esqueça de como conversar: um diálogo só é realmente possível quando se sabe de si, quando não somos anônimos para nós mesmos.

Cuide-se para que, quando estiver próximo aos 50 anos como eu, possa olhar para você “adolescente” e estender uma mão amiga e dizer a esse jovem:

“Vem, vem para o futuro;

Eu te darei abrigo e amizade;

Eu te darei sinceridade.

Só quero o alento dos teus sonhos loucos de juventude para que eu possa, uma vez mais, sorrir e sonhar”.

Nós adultos nos preocupamos em deixar (será?), um futuro melhor para nossos filhos, mas temos que deixar filhos melhores para o futuro.

Na lembrança você será sempre seu próprio filho!

Só haverá futuro se não esquecermos a história que contamos para nós mesmos num sonho que a vida é, pois a vida é sonho, o sonho dos que cuidam…

O cuidado lhes trará, durante os momentos de crise, a verdadeira noção do perigo, mas também a lucidez da oportunidade.

Tragam sempre, dentro de si, seu entusiasmo.

Boa viagem (no tempo), obrigado a todos e boa luz.

Temas relacionados: , ,
Compartilhe por aí!
Use suas redes para contar o quanto o Band é legal!