Restringir para criar

Publicado em 23/05/17
As alunas e alunos do 2o ano tinham de escolher uma foto do mural de referências – que eles criaram no Pinterest a partir do tema Invisibilidade Urbana – e pensar em uma palavra que representasse a imagem, e que começasse necessariamente com a letra C.
Esta palavra deveria ser a primeira de uma frase que eles foram estimulados a escrever.  As outras palavras desta frase deveriam começar com as outras iniciais da palavra CIDADE, em ordem. Era possível acrescentar duas preposições ou artigos para ajudar a construir o sentido da frase.
Lidando com este material inesperado, criaram frases não menos inesperadas, fugindo do senso comum, de construções óbvias.
A técnica de restringir e limitar como modos de alcançar uma escrita criativa vem da OuLiPo (espécie de Oficina Literária Potencial), corrente literária fundada por Raymond Queneau e pelo matemático François Le Lionnais, em 1960 na França. O objetivo era explorar a potencialidade da literatura, escrevendo a partir de regras muito específicas, chamadas de contraintes (constrangimentos ou restrições). Geroge Perec, por exemplo, escreveu o livro O sumiço (1969) inteiro sem a letra “e”, a mais usada pelos franceses.
Limitar, ao contrário do que muitos pensam, pode estimular a criatividade! Confira as criativas frases feitas pelas alunas e pelos alunos do segundo ano nesse link: https://br.pinterest.com/julianareimberg/restringir-para-criar/
Compartilhe por aí!
Use suas redes para contar o quanto o Band é legal!