Papel, caneta e documentário

Publicado em 10/10/17

Os primeiros anos iniciaram um projeto de documentário dentro do tema “sexualidade”. Os grupos deveriam pensar em como abordariam essa temática, criando assim uma sinopse, uma justificativa e uma proposta do projeto. Confira agora um exemplo da 1D, das alunas Ester Vieira, Gabriela Scarpa, Gabriela Centurione, Gabrfiela Dinhani, Giovanna Figueiró e Giullia Sanzone.

SINOPSE:

Ana Julia, Teresa, Maitê e Fabiana são apenas quatro entre milhares de mulheres que já sofreram algum tipo de violência doméstica ou já estiveram em um relacionamento abusivo no Brasil. Nesse documentário, a experiência vivida por elas será exposta por quatro atrizes que farão uma crítica ao comportamento da sociedade quando o assunto é violência contra a mulher.

JUSTIFICATIVA:

O subtema escolhido dentro de sexualidade é a violência doméstica e relacionamentos abusivos. Infelizmente é extremamente comum hoje em dia mulheres que estão em um relacionamento abusivo não fazerem nada sobre sua situação por conta de ameaças. Mesmo sem conseguir se defender, muitas também têm que proteger seus filhos e por isso aguentam muitas coisas caladas. “Foi só uma vez” até que não é mais e ela tem que se trancar no banheiro toda vez que ele chega em casa bêbado, “ele só está estressado” até que ela tem medo de fazer qualquer coisa sem sua aprovação, “ele me ama e cuida de mim” até que ela não se sente mais segura em sua própria casa. Uma grande parte da sociedade ainda culpa as mulheres pela própria situação em que vivem, e por isso, é necessário dar mais atenção a esse assunto e criar uma rede maior de proteção para esses casos.

PROPOSTA:

A ideia audiovisual do nosso trabalho é a interpretação de depoimentos reais de mulheres que já tenham vivido algum tipo de violência doméstica, seja ela física ou verbal. O documentário será poético para dar ênfase no que essas mulheres tiveram que passar. Nossas referências são de notícias e de publicações feitas nas mídias sociais, além do documentário “Semiotics of the Kitchen”, no qual Martha Rosler nos fez refletir um pouco mais sobre o papel da mulher e como ela é tratada na sociedade moderna.

Compartilhe por aí!
Use suas redes para contar o quanto o Band é legal!

mais de Linguagens e códigos