A Grande Besta

Publicado em 28/04/16

… e pela sua boca, começamos a adentrar A Grande Besta; eu e mais dois bravos companheiros, munidos apenas de uma simples tocha.

Sua língua era de um cinza escuro, feito pixe ainda pouco seco, que grudava um pouco em nossos sapatos, mas este era o menor de nossos problemas. Era possível sentir que Ela cuspia uma leve fumaça, daquelas que de primeira não causa efeito nenhum, mas que aos poucos consome o corpo em mal estar e falta de ar.

Durante todo o percurso, a Besta rugia. Nada muito alto, era como um ronronar sem fim, um ruido de atrito constante. Era um som dificil de explicar – admito eu – quase como se Seu corpo inteiro vibrasse e fosse possível ouvir o leve, porém infinito, movimento de suas partículas.

Dentro da Besta não havia silêncio.

Ao entrarmos pela boca de Seu estômago, a fumaça já havia tomado conta de nossos pulmões e em meio a nossa caminhada, que se tornava cada vez mais lenta, já conseguíamos ver as pessoas devoradas por Ela, loucos, órfãos e mendigos. Porém, quanto mais adentrávamos aquela fera, mais conseguíamos ver as pessoas de que Ela realmente se alimentava, ver a energia de suas vidas, de seus trabalhos e atividades que, sugadas por Ela, mantinham-Lhe viva.

Finalmente, ao chegarmos nas tripas daquele gigante monstro de pedra podíamos ver de onde vinha toda aquela fumaça. Era da labuta incessante, da ganância insaciável do Homem, possuindo tudo, feito buraco negro, e somadas ao seu egoísmo, os sucumbia, os transformando em escravos que fomentavam sem parar as fornalhas do consumo desenfreado. Todo esse desespero, para quando o serviço acabar e suas vidas perderem utilidade, os miseráveis serem digeridos por essa assustadora Besta chamada São Paulo.

Tomás Fernandes, ex-aluno (2015)

Temas relacionados: , , , ,
Compartilhe por aí!
Use suas redes para contar o quanto a Band é legal!

mais de Linguagens e códigos