Como é a vida longe de casa

Publicado em 29/05/19

Olá de novo!

Desde que me vim para Boston, enfrentei muitas mudanças em minha rotina. Para além de estar vivendo em outro país por um ano e me ver imersa em um mundo de pesquisa totalmente novo, minha vida pessoal também passou por diversas alterações.

Uma das diferenças, talvez a maior delas, diz respeito a minha casa e as responsabilidades a ela associadas. Em São Paulo, moro com a minha família. O funcionamento e as logísticas da casa, da comida, das contas não eram minhas responsabilidades. Não era eu que tinha que me preocupar em pagar aluguel e a conta de luz. Eu mal sabia cozinhar arroz. O mercado do mês aconteceria independentemente de mim. Posso dizer que, com certeza, as coisas não são mais assim.

Vista do meu quarto

Aqui em Boston, eu divido a casa com outros três alunos da Pinheiros: Amanda, Deivid e John. No nosso primeiro dia na casa, criamos algumas regras, que incluem: guia básico de convivência, cronograma semanal de limpeza e responsabilidades de cada um. Desde de janeiro, aprendi a fazer muitas coisas, e continuo aprendendo, tanto por conta própria, quanto pela ajuda deles. Por exemplo, Deivid me ensinou a fazer arroz, eu ensinei o John a fazer frango, Amanda nos ensinou a fazer chips de couve (inclusive é uma delícia), entre outras coisas. Essa troca é muito construtiva! Além disso, tentamos, sempre que possível, jantar juntos para conseguirmos contar as novidades dos nossos dias, é um momento gostoso.

Abobrinha com curry: amo

Nesse meio tempo, eu descobri que eu gosto de cozinhar! Sempre estou à procura de novas receitas para tentar fazer em casa. Ainda estou explorando os salgados, quando estiver boa neles, vou começar minha jornada nos doces. Infelizmente, eu não tenho tanto tempo assim para fazer várias receitas diferentes, então acabo cozinhando de domingo. Faço uma grande quantidade de comida para ter suficiente para a semana toda, já que levo marmita todos os dias.

Cozinha: onde passo boa parte do meu tempo.

Outra coisa que aprendi é que é muito difícil fazer mercado de uma maneira eficiente. Para mim, é quase impossível ir ao mercado e comprar só o inicialmente planejado. Sempre, sempre, tem algo que olho e lembro “nossa, precisava disso”. Entro querendo comprar um pão e saio com duas sacolas cheias.

Diferentemente de São Paulo, tudo no meu dia a dia depende exclusivamente de mim. Então, se eu não fizer o mercado, não vou ter comida em casa. Se eu não limpar meu quarto, vou dormir na sujeira para sempre. E assim por diante. Independentemente de eu estar cansada ou não, eu tenho obrigações e tarefas a cumprir, o que nem sempre traz muitos momentos emocionantes e divertidos, mas faz parte!

Sem dúvidas, passar por essa nova fase da minha vida tem sido muito mais leve graças a companhia dos meus amigos que moram comigo e, claro, das ligações de vídeo com a família.

Amanda, Eu, Deivid e John

No começo do ano, foi um desafio lidar com todas essas mudanças acontecendo ao mesmo tempo, ainda tem sido, mas cada vez menos. Tive um grande choque de realidade. Conciliar o trabalho no laboratório, com tempo livre, estudos e toda a organização da casa não é tão fácil quanto parece! Aos poucos, sinto que estou amadurecendo e aprendendo mais sobre responsabilidades, um pouco tarde, mas ainda em tempo.

Giovanna Pedreira

Os alunos formados no Band em 2014, Giovanna Pedreira e Leonardo Pipek, estão tendo uma oportunidade única! Em um programa de intercâmbio da Faculdade de Medicina da USP e da Harvard University, os dois passarão um ano estudando em Boston. Confira o Blog dos estudantes que será atualizado toda semana!

Temas relacionados:
Compartilhe por aí!
Use suas redes para contar o quanto o Band é legal!