Conversa de bar

Publicado em 09/11/15

Na onda do sonhar é preciso, aqui é a terra das oportunidades e do não deixe ninguém te dizer que você não é capaz, eu lhes apresento conversa de bar.

Como eu disse em “vamos nos permitir”, toda quinta eu vou ao mesmo pub, onde um toca um cantor que eu adoro. Com o tempo, fui ficando amiga dele e, na última quinta, passamos uma hora conversando depois que o show terminou. A história dele é simplesmente incrível e digna de um post.

Filho de pai que passou quase toda a vida na cadeia, foi o primeiro dos 9 filhos a fazer colegial. Quando perguntei dos irmãos, ele me disse que todos já foram, pelo menos uma vez, presos – inclusive ele. Apesar de qualquer dificuldade e de assumir não ser nenhum santo, afirma que sempre gostou muito de estudar.

Quando tinha 10 anos, seu tio perguntou o que ele gostaria de ganhar de natal, ao que ele respondeu “um kit de química”. Seu tio, surpreso, disse “where the hell do you expect me to steal a chemistry kit?”. Como ele é muito piadista, todo mundo achou que fosse brincadeira, mas ele garantiu que não era não. Seu tio completou “I know where to steal a guitar, so that´s what you are getting for Chritsmas”.

E foi assim que ele começou a tocar, sem nenhum músico na família, sem nunca ter imaginado isso para ele antes. Logo viu que levava jeito e começou a se dedicar a isso. Quando tinha a minha idade, já tocava em bares e tinhas alguns shows para dar. Resolveu, então, que seria isso que ele faria da vida. Imediatamente ouviu que seria impossível ganhar a vida sendo cantor de bar.

O tempo passou, mas seu gosto pelos estudos, não. Quando completou 60 anos, decidiu que gostaria de entrar na faculdade. Mais uma vez, foi desencorajado a tentar e ouviu que já era tarde demais.

nós com as nossas carteirinhas de Harvard - ou como ele costuma brincar "just us Harvard kids hanging out together"

nós com as nossas carteirinhas de Harvard – ou como ele costuma brincar “just us Harvard kids hanging out together”

Hoje, com 61 anos, está cursando Harvard college com major em biology e minor em math; está casado, com casa própria e carrão e afirma jamais ter feito qualquer outra coisa para ganhar a vida além de cantar e tocar.

Por isso que eu digo, “vamos nos permitir”. Se eu não tivesse me permitido frequentar o bar na quinta feira, não teria ouvido essa história tão inspiradora. E, não preciso nem dizer né, não deixem que ninguém fale do que vocês são ou não capazes.

 

Compartilhe por aí!
Use suas redes para contar o quanto o Band é legal!

mais de Do Band a Harvard