Crônica argumentativa: "Pense bem, pequena corrupta"

Publicado em 03/05/17

A crônica nasceu de um casamento bem-sucedido entre literatura e jornalismo. Grandes nomes como Machado de Assis, Rubem Braga e Clarice Lispector usaram todo seu talento linguístico ao escrever sobre coisas triviais para entreter – e, muitas vezes, fazer rir e refletir – o leitor de jornal.
A crônica é, portanto, assim: do cotidiano, do povo, mas com um toque literário. Afinal, quem nunca leu um texto do Luis Fernando Veríssimo, do Rubens Alves ou do Millôr Fernandes e se emocionou, riu ou simplesmente se viu ali do lado do autor, vivenciando as mesmas experiências?
Mas a crônica também pode assumir um papel de crítica social. E foi explorando justamente esse ponto do gênero que conduzimos as aulas de Estudos Linguísticos do 2o ano do 1o bimestre. Com o objetivo de desenvolver as habilidades de descrever e argumentar, os alunos foram induzidos a relatarem experiências vividas ou observadas que servissem de base para a desefa de uma opinião sobre os mais variados temas, como o sistema de empréstimo de bicicletas em São Paulo, o cerceamento dos blocos de rua no Carnaval de São Paulo, o serviço do Uber, as notícias falsas nas redes sociais e a honestidade do brasileiro.
Confira o resultado com alguns textos dos nossos cronistas do 2o ano.
Professores Alexandre, Grasiela, Melissa e Renata
Pense bem, pequena corrupta
Estava voltando do colégio. Tínhamos feito prova de sociologia e, na perua escolar, todos comparavam suas respostas. Você sabe, aquela confusão de adolescente: “ A? Mas por que A? Eu pus a D!,” “Não, seu idiota! É a C!”, “Oba! Você também marcou a A? Toca aqui!”. A cada alternativa correspondida um grito de alegria, a cada resposta distinta um choro dramático. E assim deixamos a capital paulista rumo ao ABC. Logo, porém, a comparação incessante deu lugar à conversa.
Pedro disse que iria para o Guaru naquele fim de semana, mas estava desanimado por conta das longas filas nos pedágios. Por mais que pedisse, seu pai, um italianão mão-de-vaca, não comprou o famoso “ Sem Parar “. Milene depois de exclamar o quão chique era Pedro, rindo, contou que não precisava disso. A única da família que tinha o aparelho era a tia. Então, bolaram um esquema. O carro do pai, sem o “ Sem Parar “, e o carro da tia, dotado do aparelho, passavam “ grudados “ pelo visor. Este capturava o código do aparelho e abria a cancela. O carro do pai, que ficava na frente, passava direto e o da tia, na maioria das vezes, também. Caso a cancela fechasse, o carro parado seria o da tia, que logo seria liberado por conter o aparelho regulamentado.
Fiquei horrorizada. Sabe, tínhamos acabado de fazer uma prova cujo tema girava em torno de ética, valores morais, indivíduo e sociedade. Passei até a duvidar da afirmação do grande professor Salgado de que todo povo produz uma moral. Moral ali? Só se for uma bem corrompida. Uma moral podre e nojenta. Pelo visto, Milene valorizou mais o meio ponto que ganhou por acertar o teste do que a verdadeira essência da matéria.
O pior de tudo é que são essas e muitas outras Milenes, Pedros, Anas e Murilos que dizem querer mudar o Brasil. Só te digo uma coisa, a corrupção da qual você tanto reclama começa nas simples ações. Parar na vaga do idoso, furar a fila, não pagar o pedágio. Se você faz isso, não é menos corrupto que os apreendidos na Lava-Jato. Vocês, pais e mães de tantas Milenes, deem o exemplo a seus filhos, reconstruam e fortaleçam essa moral. Deem os limites do certo e errado. E, quanto a você,Milene, não se orgulhe de tirar vantagem dos outros. Chique não é apenas viajar ao Guaru. Chique, Milene, é cidadania. Chique é aproveitar todo conhecimento ao qual você tem acesso. Pense bem, Milene.
Ana Sophia Gil Zanetti, 05, 2A

Compartilhe por aí!
Use suas redes para contar o quanto o Band é legal!

mais de Institucional

Os Inutensílios

Publicado em 10/06/19

A Educação precisa de paz

Publicado em 05/06/19

40 anos de Band

Publicado em 03/06/19