Crônica argumentativa: "Nem o gigante acredita mais"

Publicado em 04/05/17

A crônica nasceu de um casamento bem-sucedido entre literatura e jornalismo. Grandes nomes como Machado de Assis, Rubem Braga e Clarice Lispector usaram todo seu talento linguístico ao escrever sobre coisas triviais para entreter – e, muitas vezes, fazer rir e refletir – o leitor de jornal.
A crônica é, portanto, assim: do cotidiano, do povo, mas com um toque literário. Afinal, quem nunca leu um texto do Luis Fernando Veríssimo, do Rubens Alves ou do Millôr Fernandes e se emocionou, riu ou simplesmente se viu ali do lado do autor, vivenciando as mesmas experiências?
Mas a crônica também pode assumir um papel de crítica social. E foi explorando justamente esse ponto do gênero que conduzimos as aulas de Estudos Linguísticos do 2o ano do 1o bimestre. Com o objetivo de desenvolver as habilidades de descrever e argumentar, os alunos foram induzidos a relatarem experiências vividas ou observadas que servissem de base para a defesa de uma opinião sobre os mais variados temas, como o sistema de empréstimo de bicicletas em São Paulo, o cerceamento dos blocos de rua no Carnaval de São Paulo, o serviço do Uber, as notícias falsas nas redes sociais e a honestidade do brasileiro.
Confira o resultado com alguns textos dos nossos cronistas do 2o ano.
Professores Alexandre, Grasiela, Melissa e Renata
Nem o gigante acredita mais
Outro dia eu fui para o bairro “Liberdade” com uma amiga. Queríamos passear pelas ruas com decoração japonesa e comprar aquelas balas e docinhos asiáticos deliciosos que só conseguimos achar lá. Numa das lojas em que entramos, vimos uma bala super diferente, mas um pouco cara. Como eu já tinha gastado meu dinheiro, não comprei. Quando saímos da loja, minha amiga veio rindo até mim com um punhado da bala diferente na mão. Como o dinheiro dela também já havia acabado, achei estranho e perguntei como ela tinha conseguido comprar… ela não tinha comprado. Fiquei confusa pois não tinha visto o furto e brava com ela por ter roubado, mas ela não ligou… seu argumento? Ela disse que, com tantos milhões sendo desviados dos nossos hospitais públicos por aí, cinco balas de uma lojinha não fazem diferença…
Eu continuo achando furtos e roubos ações completamente imorais e antiéticas… mas eu entendo o posicionamento da minha amiga: o brasileiro perdeu a fé de que o Brasil pode mudar. Com tantos anos de desonestidade por parte de quem governa nosso país, com toda a corrupção que vem desde quando ainda éramos uma colônia, com todas as fraudes e desvios que somente agora começamos a realmente descobrir e, principalmente, com a continuidade que dão a essas imoralidades mesmo com nosso povo implorando para parar de ser destruído por dentro… é muito fácil perder a fé de que algo pode mudar. A resposta que a maioria, que tem condições para tal, acha é simplesmente fugir. Mudar-se para outro país e deixar essa bagunça para trás…
O nosso povo vem se cansando há muito tempo. A desonestidade plantada nas entranhas de cada brasileiro, apesar de realmente ser uma contradição, uma vez que continuamos falando mal dos corruptos da capital enquanto pensamos de forma semelhante a eles, é uma decorrência histórica provocada por um sentimento de impotência do brasileiro. Para que se importar com o roubo de cinco balinhas se o imposto que a loja paga continua sendo desviado? O “gigante” não acordou, ele está afundado numa imensa falta de fé e, por isso, continua dormindo. Nós não devemos ser desonestos, mas para que agir de acordo com leis que nem mesmo quem as criou respeita?
Loreta De Rossi Guerra, 2F

Compartilhe por aí!
Use suas redes para contar o quanto o Band é legal!

mais de Institucional

Os Inutensílios

Publicado em 10/06/19

A Educação precisa de paz

Publicado em 05/06/19

40 anos de Band

Publicado em 03/06/19